Quem somos?

A AEA – Associação dos Emigrantes Açorianos foi fundada a 28 de Outubro 2010

A AEA – Associação de Emigrantes Açorianos é um organismo independente, com sede nas instalações do Museu da Emigração Açoreana, na Ribeira Grande. A sua direção é formada por elementos de várias ilhas dos Açores, representando várias proveniências da Diáspora.

É, portanto, uma agremiação constituída por Açorianos oriundos de todas as ilhas dos Açores, de todas as idades e de todas as condições socioculturais que, nalgum ponto da sua vida, tendo saído das suas ilhas por qualquer motivo (estudo, melhoria de vida ou outro), regressaram, por vontade própria ou alheia, à sua terra-mãe e, também, por outros que continuam espalhados pelo Mundo, sobretudo em comunidades nos Estados Unidos da América, Canadá, Brasil e Bermuda.

Não somos gente de fora que para veio para os Açores. Somos gente daqui que saiu e que voltou. Somos gente de dentro (daqui mesmo), que esteve fora e que aqui regressou ou ainda continua emigrada. Eis a primeira diferença entre nós e outras associações, para quem faça a pergunta lícita “para quê uma nova associação de emigrantes?”

Não somos uma associação redutora. Por exemplo, apenas amigos do Canadá ou de graduados no estrangeiro, como existem outras. Queremos ter e representar todos, de todas as ilhas, de todas as situações e de todas as proveniências. Eis outra diferença.

 

Quantos somos nestas circunstâncias?

Não são conhecidas estatísticas. Os Açorianos vieram de fora, depois foram para fora e só há pouco tempo começou a vir de novo gente de fora. E gente de dentro que, tendo ido para fora, para aqui regressou.

 

Como somos?

Quem somos? Reformados, repatriados, professores, técnicos, gestores, políticos, muitos e muitos outros. Será um fenómeno a estudar. Gostaríamos de o estudar. Patrocinar um estudo.

Os seus membros são, pois, Açorianos regressados à casa-mãe. Uns para aplicar aqui o que aprenderam na Diáspora, capitais e conhecimentos. Outros apenas para descansar do tempo em que trabalharam na Diáspora. Ainda outros forçados pelas circunstâncias da vida.

Membros da AEA são também muitos que continuam longe dos Açores a lutar por uma vida melhor sem nunca esquecer a terra-mãe.