Missão

A AEA – Associação dos Emigrantes Açorianos, pretende ser uma ponte, um elemento facilitador, entre a Diáspora, e a terra-mãe. É uma espécie de Casa dos Açores nos Açores e com as casas dos Açores na Diáspora pretende estabelecer um relacionamento privilegiado.

 

O que pretendemos?

Vamos usar a nossa experiência e, com a nossa sensibilidade, colaborar com as autarquias, associações afins, casas dos Açores, organismos do Governo Regional, consulados, câmaras de comércio e indústria. Somos açorianos, é certo, com muito orgulho, mas somos também, não o esquecemos e não temos menos orgulho nisso, americanos, canadianos, franceses, brasileiros, o que nos dá uma sensibilidade diferente da que tínhamos antes de emigrarmos e de regressarmos.

É esta sensibilidade, perdoem-nos a possível presunção, que nos tornará úteis para ajudarmos a perceber e a fazer perceber aos nossos patrícios açorianos e aos que nos vieram ajudar a desenvolver (ucranianos, cabo-verdianos, etc.) que somos Emigrantes e sabemos o quanto custa nos integrarmos e o quanto é bom sermos bem acolhidos. Compreendemos os que vieram forçados pelas circunstâncias da vida (é uma dor de alma vê-los derramados), os que ainda não se integraram (e que poderão parecer poucos), os que querem investir (cá ou lá), os de cá que querem estudar lá ou de lá que querem estudar cá e fazer-lhes a fazer a ponte, facilitar o diálogo.

Prometemos ser a Casa dos Açores cá a trabalhar com as casas dos Açores lá.

Queremos ser um interlocutor leal entre os agentes consulares e nós. Um ponto de reunião entre os Emigrantes regressados à sua terra. Para isso vamos partir para o terreno a convidá-los a fazer parte da nossa associação.

Queremos, também, apoiar a integração daqueles Açorianos que para os Açores vieram forçados. A este respeito, basta dizer que a nossa Direção tem representantes destes Açorianos.

Queremos, ainda, ser elemento de reunião entre todos os Açorianos regressados, na confraternização e na procura de soluções para questões burocráticas. Colaboramos com as instituições do Governo dos Açores, assim como com os elementos consulares dos países que nos acolheram na Diáspora. Não pretendemos substituir aqueles mas apenas pôr ao serviço da nossa terra a nossa sensibilidade diferente dos que daqui nunca saíram. Somos Açorianos, sim, mas também somos, um pouco ou muito da terra de adopção. E isto dá-nos uma sensibilidade – nem melhor nem pior, mas diferente – que queremos partilhar com a nossa terra-mãe.

 

São razões para existirmos como associação?

Nós julgamos que sim.

A AEA pretende ser uma ponte, um elemento facilitador, entre a Diáspora, e a terra-mãe.

Queremos ser uma espécie de Casa dos Açores nos Açores e colaborar com as casas dos Açores na Diáspora.

Conhecendo o que é ser Emigrante, desejamos apoiar os Imigrantes e as suas associações nos Açores (por exemplo a AIPA – Associação dos Imigrantes nos Açores), sensibilizando os nossos patrícios para o facto de todos sermos Emigrantes/Regressantes.